• Número da clínica

    (38) 3222-0133
Endometriose X infertilidade
30/08/2018

Endometriose X infertilidade

A endometriose é uma doença benigna que se desenvolve quando o tecido de revestimento do útero (endométrio) cresce em outras regiões do nosso organismo além do útero, tais como ovários, tubas uterinas, intestinos, bexiga e, até mesmo, pulmões. Trata-se de doença crônica e incurável que traz dois grandes problemas à mulher: infertilidade e dor pélvica crônica, na menstruação e durante relações.

A doença atinge a mulher em idade reprodutiva, ou seja, a mulher que menstrua. A média de idade das mulheres, à época do diagnóstico, é de 25 a 30 anos. Aproximadamente, 10% das mulheres com idade entre 15 e 49 anos são afetadas pela doença.

Embora nem toda mulher com endometriose seja infértil, encontra-se a doença em 20 a 50% das inférteis.

Acredita-se que a doença se origina demúltiplas causas, havendo teorias em que se aceitam interações de diversos fatores, nenhum deles explicando totalmente a doença isoladamente, fatores como mecânicos, genéticos, imunológicos, endócrinos e ambientais.

Infelizmente, o diagnóstico da endometriose permanece como um desafio para a medicina, pois os sintomas podem ser bastante inespecíficos, o que leva ao atraso de 2 a 12 anos na identificação. Em 25% dos casos não há qualquer sintoma da doença. Na maioria das pacientes, a endometriose apresenta sintomas que podem comprometer bastante a qualidade de vida da mulher. As queixas mais comuns nestas mulheres são dor pélvica (principalmente, cólicas menstruais, mas pode causar ainda dor durante as relações sexuais) e infertilidade.Muito comumente a única queixa da mulher é a infertilidade, sem qualquer outro sintoma associado.

A suspeita de endometriose surge durante a consulta médica, a partir da avaliação das queixas da paciente e do exame clínico-ginecológico. Ainda não existem exames que permitam o diagnóstico definitivo da endometriose. A ultrassonografia pélvica e/ou ressonância nuclear magnética podem ser úteis na avaliação da extensão da doença, mas devem ser realizadas por profissionais devidamente capacitados. Hoje em dia, em caso com dados clínicos clássicos e ressonância magnética feita por profissional experimentado pode ser o suficiente para abordar o caso, dispensando cirurgia e seus riscos e custos em caso específicos.

O tratamento da infertilidade em pacientes com endometriose pode ser complexo e controverso.

O mecanismo pelo qual a endometriose produz infertilidade ainda não foi esclarecido. Dessa forma, a escolha do tratamento dependerá de fatores individuais como idade da paciente, tempo de infertilidade e presença de outros fatores de infertilidade. Havendo infertilidade, o seu tratamento deve receber prioridade, sendo que os tratamentos apenas sintomáticos estão reservados para paciente que não desejam filhos naquele momento;

Uma vez que, as medicações disponíveis não aumentam a fertilidade e, ainda, impossibilitam a concepção durante o tratamento, visto que em sua maioria  interrompem o ciclo ovulatório e suspendem as menstruações.

No caso de infertilidade, a abordagem cirúrgica nos dias atuais somente se mostram justificáveis na confirmação diagnóstica(videolaparoscopia), devendo se ter cuidado especial com os ovários que, quando lesados durante cirurgia, podem comprometer o “estoque de óvulos” (reserva ovariana) comprometendo o futuro reprodutivo do paciente:cirurgia iatrogênica que prejudica antes de beneficiar

A inseminação intrauterina – IIU, com estimulação da ovulação, pode ser realizada em casos de endometriose mínima e leve, se as trompas estão normais, e não há associação de outros fatores de infertilidade.No máximo três tentativas deve ser empregada por esse método, devendo se passar para técnica de alta complexidade em caso de fracasso do tratamento.

A paciente deve discutir detalhadamente esse tratamento com o médico assistente, especialmente considerando se baixo poder resolutivo.

A fertilização in vitro – FIV, bebê de proveta, é a opção em casos de obstrução das trompas, após falha de outros métodos ou se houver outros fatores de infertilidade associados.A fertilização está especialmente indicada se o tempo de infertilidade supera dois anos de infertilidade, ou a idade da paciente já estiver desfavorável ou ainda nas formas moderadas e avançadas da endometriose.